Notícias

Informes

A Educação Física que acolhe, reabilita e promove a inclusão social

29/10/2019

A história do carioca Eude Bernardes Silveira, 74, morador do Pechincha, com a Educação Física começou em 1991, antes mesmo de sua regulamentação. Presente na Caravana da Cédula Digital da Praça Seca, promovida em setembro, para fazer a sua renovação de cédula, ele conta que a profissão foi a sua segunda opção de formação, mas que não se arrepende em nada pela escolha.  “Sou militar do exército e ao ir para a reserva resolvi fazer faculdade. Como eu era topógrafo e trabalhava com esporte, havia duas carreiras a seguir: Geografia ou Educação Física. Acabei escolhendo a segunda opção”, relembra.

O profissional entende que a Educação Física assume múltiplas funções na sociedade. “Ela atua na linha de frente na manutenção do corpo humano, ajuda a prevenir doenças, é um eficaz agente de socialização e transforma a realidade de diversas pessoas em situação de vulnerabilidade e exclusão social”.

Atualmente, o profissional trabalha na Ong Graco (Grupo de resgate a autoestima e a cidadania do obeso), o que lhe proporcionou uma mudança de pensamento em relação à obesidade. O grupo nasceu da iniciativa de Rosimere Lima da Silva, ex-portadora de obesidade mórbida e presidente da organização, que tem como objetivo promover a autoestima, a inclusão social e profissional destas pessoas, o acesso à saúde, a reeducação alimentar, o monitoramento da saúde física e psicológica de obesos mórbidos e seus familiares e participar do desenvolvimento de pesquisas na área de obesidade.

Para ele, há uma maior consciência sobre a gravidade da situação e as pessoas acima do peso passaram a ser tratadas de uma maneira diferenciada. “Trata-se de uma doença incurável, porém controlável, mesmo após a cirurgia bariátrica”, avalia. Além do trabalho na ONG, Eude é massoterapeuta domiciliar. Ele fez estágio no Departamento de Reabilitação Geral do Hospital das Clínicas, onde teve contato com profissionais multidisciplinares que lhe deram noções de massagem e o incentivaram a seguir a carreira.

Antes de trabalhar em projeto social, Prof. Eude já atuou com Educação Física Escolar e Futebol, além de atender grupos especiais (idosos, obesos, cardíacos e outras deficiências) por 10 anos, de 2001 a 2011. Este último que ainda figura como um sonho de trabalho. “Meu sonho é montar um espaço para atividade física e massoterapia para atender idosos, Pessoas com Deficiência (PCD), obesos, pessoas que se beneficiariam da massoterapia, que ajuda a aliviar as dores”, concluiu.

Outras notícias:

Fiscalização

Fiscais flagram 3 exercícios ilegais em uma academia no município de Belford Roxo

Comunicados

Fiscais flagram exercício ilegal em aula de ginástica localizada no município de Petrópolis

Informes

Profissionais do corpo Docente do CREF1 participam no CONNECTION 2024

Fiscalização

Fiscais flagram falso Personal Trainer em São Gonçalo

Fiscalização

Fiscais flagram exercício ilegal em academia de Itaguaí

Comunicados

Fizemos história: mais de 2mil mulheres participaram da Caminhada Onda Rosa