Notícias

Comunicados

Professora Cíntia Amanda, uma história de inspiração e inclusão social

09/09/2016

Conduzir a tocha paralímpica é uma honra dada principalmente para aquelas pessoas que desenvolvem um trabalho diferenciado no campo da inclusão social de Pessoas com Deficiência (PCDs). Esse é o caso da conselheira do Conselho Regional de Educação Física da 1ª Região (CREF1) do Rio de Janeiro e Espírito Santo, a Professora Cintia Amanda Ferreira (CREF 023918 – G/RJ). A profissional coordena o Transforma 2016, programa que promove atividades que estimulam a prática esportiva no contexto olímpico e paralímpico, além da formação do cidadão.

A ação, que conta com incentivo do Comitê Rio2016 e da Secretaria Estadual de Educação, é promovida no Colégio Estadual Hebe Camargo, em Pedra de Guaratiba. Por conta desse trabalho, a Profissional Cintia Amanda foi indicada pelo Instituto Net Claro Embratel, patrocinadora dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos e parceira da escola, para conduzir a chama paralímpica.

“O convite foi recebido com muita alegria e comemoração, por poder representar a tantos alunos, professores, amigos, familiares e pessoas que entendem e lutam pela causa. Me senti honrada, um privilégio que já marcou minha vida profissional e que mostra como vale colocar todo amor no trabalho que desempenhamos e isso renova mais as nossas forças”, disse a Prof. de Educação Física.

Ela acrescentou que jamais poderia imaginar que a alegria do momento da condução pudesse superar o que já havia sentido antes. “A emoção toma conta, o tempo passa rápido, o momento se torna único e ali, no trecho a percorrer, senti que não corria sozinha com a tocha paralímpica, mas que milhares corriam comigo levando os valores da igualdade, inspiração, determinação e coragem”.

O trabalho com a inclusão social sempre foi uma bandeira levantada por Cintia Amanda na rede estadual de ensino, onde atua desde 2010. Depois de muita luta, ela afirma que já consegue trabalhar a temática em suas aulas. “A Educação Física possui as ferramentas ideais para promover essa ação na teoria e na prática. Hoje, nós já conseguimos integrar todos e buscar a inclusão, contando com a participação de toda comunidade escolar”.

Antes de assumir o projeto da Rio2016, a Prof. trabalhou no Centro Esportivo Miécimo da Silva, em Campo Grande, no departamento de PCD, nas áreas de dança e natação. Nesse local, ela desenvolveu trabalhos com autistas e pessoas com síndrome de Down, deficiência física e auditiva. “Tive a grata oportunidade de participar auxiliando cada aluno na transposição dos seus obstáculos, ensinar e também aprendendo muito com as histórias de superação de vida”.

Os Jogos Paralímpicos Rio2016 já começaram e contam milhares de histórias vitoriosas. Para além do quadro de medalhas e do espírito competitivo, a Professora de Educação Física Cintia Amanda espera que esse movimento leve ao debate, conscientização e ação, mobilizando sociedade e governantes em direção ao desenvolvimento do esporte brasileiro. “Precisamos do incentivo certo, que se inicia nas escolas com o Profissional de Educação Física, através de uma boa orientação e de condições para que o trabalho se desenvolva. Ainda temos muito o que discutir, como o legado deixado e as políticas públicas esportivas e educacionais”, concluiu a profissional com o mesmo sorriso que carregou durante os metros em que conduziu e chama paralímpica.

Outras notícias:

Fiscalização

Fiscais flagram 3 exercícios ilegais em uma academia no município de Belford Roxo

Comunicados

Fiscais flagram exercício ilegal em aula de ginástica localizada no município de Petrópolis

Informes

Profissionais do corpo Docente do CREF1 participam no CONNECTION 2024

Fiscalização

Fiscais flagram falso Personal Trainer em São Gonçalo

Fiscalização

Fiscais flagram exercício ilegal em academia de Itaguaí

Comunicados

Fizemos história: mais de 2mil mulheres participaram da Caminhada Onda Rosa