Notícias

Comunicados

O Brasil entrando em forma

25/06/2018

No Brasil, nem tudo está perdido. A exceção são os 13 quilos que a enfermeira Tatiana Fernandes, 39 anos, deixou para trás depois que começou a se exercitar. Ou os sete quilos que a professora de Educação Física Giovanna Pereira (Supervisora de Fiscalização), 31, abandonou após parar de beber refrigerantes. Estudo do Ministério da Saúde indica que, assim como a Tatiana e Giovanna, milhares de brasileiros estão adotando estilo de vida mais saudável. A consequência é que a prevalência de obesidade e excesso de peso deu uma estagnada nas capitais do país.

Apesar de o brasileiro, em geral, e o carioca, em particular, estar consumindo mais frutas e legumes, fazendo mais exercícios e bebendo menos refrigerantes e bebidas açucaradas (veja o infográfico ao lado), a balança ainda não está tendendo para o lado saudável. Afinal, segundo a mesma pesquisa, 20,2% dos habitantes da capital carioca estão obesos e 57% possuem excesso de peso. “Mas, é um bom sinal”, afirma o presidente do Conselho Regional de Educação Física (CREF1), André Fernandes, que atribui o resultado às campanhas alertando sobre os riscos da obesidade e do sedentarismo.

“Mesmo com esta tendência à estabilidade e com o crescimento de pessoas que praticam atividade física e que estão consumindo alimentos mais saudáveis, não podemos deixar de continuar vigilantes com a população do Rio de Janeiro. A obesidade e o sobrepeso são portas de entrada para doenças crônicas, como hipertensão e diabetes, que prejudicam a saúde da população e que poderiam ser evitadas”, ressaltou a diretora do Departamento de Vigilância de Doenças Crônicas e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde (DANTPS), do Ministério da Saúde, Fátima Marinho.

Doenças são evitadas

Para o médico Thiago Sicsu, especialista em Medicina Ortomolecular, quando a pessoa diminui ou corta o refrigerante e passa a fazer atividades físicas, acaba reduzindo o tabagismo, consumo de álcool e as comidas fast-food. E isso pode evitar muitas doenças. “Principalmente, diabetes e doenças cardiovasculares, devido a acúmulo de gordura nas artérias”. Que o diga a enfermeira Tatiana Fernandes.

“Quando estava acima do peso, meu colesterol era alto, comecei a sentir muito cansaço e dores nas pernas. A mudança não foi por estética. Foi questão de saúde mesmo!”, destacou.

“O meu corpo respondeu muito melhor quando cortei o refrigerante,”, garantiu Giovanna. Segundo a professora, o hábito de beber refrigerante, acabava induzindo ela a ter mais vontade de comer doce. “Parei há seis anos e comecei a consumir mais frutas, legumes e verduras. Minha imunidade aumentou. Fiquei menos gripada e as reações alérgicas que me perseguiam, diminuíram”, afirmou.

 

Matéria publicada no O Dia do dia 24/06, por Wilson Aquino

Outras notícias:

Fiscalização

Fiscais flagram falso profissional durante aula de alongamento no bairro da Penha

Fiscalização

CREF1 flagra exercício ilegal em aula de Treinamento Funcional em Santa Cruz

Fiscalização

Fiscais flagram 3 exercícios ilegais em uma academia no município de Belford Roxo

Comunicados

Fiscais flagram exercício ilegal em aula de ginástica localizada no município de Petrópolis

Informes

Profissionais do corpo Docente do CREF1 participam no CONNECTION 2024

Fiscalização

Fiscais flagram falso Personal Trainer em São Gonçalo